Entomotoxicologia forense é foco de pesquisa de mestrado no INPA

Uma pesquisa desenvolvida no Programa de Pos Graduação (Mestrado) em Entomologia do Instituto de Pesquisa da Amazônia tenta determinar a presença de substâncias ilícitas e sua potencial relação com a morte por overdose. Nesse estudo, analisou-se a presença de cocaína na cutícula de larvas de moscas criadas em tecido intoxicado com a droga. O estudo permite determinar além do IPM (intervalo pós-morte), se a morte pode ter sido ocasionada pelo consumo de drogas.
Nos testes realizados foram utilizados coelhos os quais foram tratados com doses letais de cocaína (DL100 e DL50). Uma vez mortos, os fígados foram retirados e utilizados como substrato para criação de larvas de moscas. O fígado é o principal órgão responsável pela metabolização da droga no organismo.
As larvas após atingirem determinado grau de desenvolvimento (3º estágio larval) foram submetidas a análise histoquímica do tecido e de cromatografia em camada delgada (CCD). Os resultados mostraram ser possível fornecer subsídios aos Laudos produzidos pelos Peritos Criminais que servirão como prova no âmbito judicial.

 Parceria entre Polícia Civil e  o INPA

De fato a parceria entre o INPA e o Departamento de Polícia Científica da Polícia Civil do Amazonas já existe o qual tem utilizado análises de entomofauna cadavérica em casos de homicídios solucionados. Um curso sobre Entomologia Forense foi ministrado para Peritos Criminais, Peritos Legistas e Auxiliares de Necropsia em 2012 incluindo uma parte prática e outra teórica.

Perito Criminal durante o curso de Entomologia Forense
Fonte: http://www.inpa.gov.br/noticias/noticia_sgno2.php?codigo=2888

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quanto Ganha um CSI?

Eletroplessão e as diversas formas de morrer eletrocutado.

Video: Uso de luzes forense na busca de evidências