Touch DNA: da cena do crime ao laboratório

Enquanto DNA toque tornou-se um teste muito solicitado e bem sucedida para laboratórios de DNA de realizar, é preciso lembrar de suas limitações e estar ciente dos fatores que podem afetar os resultados.

Uma nova tecnologia está ajudando a polícia a resolver crimes contra o patrimônio mais precisamente o FURTO. Essa tecnologia vai muito além das impressões digitais mais é tão precisa quanto. Os peritos forenses dizem que só precisam de poucos dias para obter os resultados.
Estamos falando do Touch DNA ou DNA do toque. Esta técnica se baseia na transferência de células epiteliais de um indivíduo para um objeto através do toque. Desde que o ser humano tem uma renovação constante de células da pele ao longo do dia milhares de células são perdidas por descamação, tornando possível a recuperação destas células em qualquer superfície que for tocada.
Na análise e processamento da cena de crime os peritos raspam ou utilizam um swab na superfície para recuperação destas células. Tudo que se precisa é de 30 células, o que é considerado pouco num universo de um milhão de células que são perdidas todos os dias no processo de descamação da pele. Essa quantidade é menor do que se precisa para obter um perfil de DNA para análise por STR (short tandem repeats) desde que utilizado técnicas melhoradas de obtenção de perfil de DNA tal como LCN (Low Copy Number).
A amostra após ser coletada no local do crime é enviada ao laboratório. Por reação de PCR (Polimerase Chain Reaction) o DNA do toque é amplificado em milhares de cópias que por sua vez serão utilizadas para revelar um perfil de DNA em um procedimento similar ao teste de DNA padronizado pelo FBI, ou seja, baseado em 13 marcadores moleculares STRs e inseridos no CODIS para busca de perfis correspondentes. A precisão do resultado chega a ser de um em 330 Bilhões.
O DNA do toque tem ajudado a reduzir em 38% o número de casos de furto e cerca de 90% dos casos que chegam ao laboratório tem provas recolhidas para busca de DNA do toque na cidade de São Petesburgo, Florida, EUA.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quanto Ganha um CSI?

Video: Uso de luzes forense na busca de evidências

Eletroplessão e as diversas formas de morrer eletrocutado.